GÊNESIS 16


Introdução

           O povo de Deus é em muitos aspectos um tipo muito estranho. Em Gênesis 14-15, Abraão é visto como um brilhante exemplo de fé. Entretanto, em Gênesis 16 ele age contrário a fé. Essa inconsistência não é algo exclusivo de Abrão, nós também vivenciamos isso com muita frequência. Estamos sujeitos a influências de diferentes forças, Gálatas 5.16-17 nos revela a luta travada em nós entre o Espírito Santo e carne: “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer”. Embora sejamos esse campo de conflito interior nos alegramos por Deus não permitir que a verdadeira fé salvadora venha a fracassar: “porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (I João 5:4).


I. A falta de confiança na promessa divina leva ao desastre, v. 1-6.

           Deus muitas vezes espera para agir até que Seus planos se tornem humanamente impossíveis de serem realizados. Abrão tinha oitenta e cinco anos e não tinha tido filhos e Sara havia passado da idade de poder engravidar.
           Qual a esperança que eles poderiam ter de terem um filho? A resposta é claro, deveria ser que a promessa de Deus era suficiente para eles. Deus sempre mantém Sua palavra. Todavia, Ele faz isso de maneira que Ele mesmo venha a ser glorificado. O Seu tempo e métodos são muitas vezes uma prova para a carne. Nós devemos aprender que a fé deve ser acompanhada de paciência para poder aguardar calmamente para Deus cumprir a Sua palavra. É como nos diz Hb 10:35-36: “Não abandoneis, portanto, a vossa confiança; ela tem grande galardão. Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa”. Essa paciência era justamente o que estava faltando a Sarai e Abrão. A consequência disso é que não resistirão à tentação de agir segundo a carne para apressar um pouco os planos divinos.
           Note como a aproximação da tentação pode ser sutil:
A. Ela veio por meio de uma pessoa justa [I Pedro 3:6].
           A tentação veio para Abrão por meio de Sarai, que era uma pessoa justa como declara o texto de 1 Pedro 3.6.
B. Ela veio de uma pessoa próxima de Abraão.
           Abrão deu ouvidos à sua esposa em uma questão na qual ele deveria ter permanecido com o que Deus tinha dito.
C. Ela foi uma bem intencionada tentativa de "ajudar a Deus".
          Embora eles quiseram ver concretizado o que o Senhor prometera, tentaram fazer conforme seu método e seu tempo ao invés de confiar no método do Senhor e no tempo do Senhor. Estratégias humanas não podem trazer melhoras ao plano divino.
           A estratégia de Sarai era contrária ao plano de Deus para o casamento.
           No texto há um elemento cultural muito comum daquela época. A poligamia que é narrada várias vezes no A. T. embora fosse culturalmente aceitável não tinha a aprovação divina. A Palavra nos mostra que o propósito divino é a união de um único homem com uma única mulher, isso é o que constitui biblicamente o casamento, conforme Gênesis 2.24, citado por Jesus em Mt 19.5: “...deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”.
           O propósito do casamento é a felicidade do casal e a geração de filhos tementes a Deus. A poligamia é inimiga destes propósitos divinos. Não houve nenhum casamento polígamo em que o ciúme e a amargura não entraram. Em Gênesis 21.1-11 estão algumas consequências dessa infeliz decisão de Sarai.    Depois que Agar deu a luz, ela começou a provocar e irritar Sara. Abrão então permitiu que Sarai a "colocasse em seu devido lugar". Isto causou um ressentimento tão grande, que Agar fugiu de casa.
           A atitude errada de Sarai e Abrão gerou inveja, ciúme e ódio. Não poderia ser diferente. Atitudes carnais só leva a consequências desagradáveis.


II – Ações reparadores do Senhor, v. 7-16

           Sem dúvida, enquanto Agar vagueava, ela começou a refletir e a se acalmar. Enquanto ela estava descansando em uma fonte de água, o Anjo do SENHOR (Jeová) apareceu a ela. A referência ao Anjo do Senhor diz de Jesus na Antiga Aliança, que neste momento aparece para trazer restauração. Agar foi instruída a voltar para a casa de Abraão, humilhar-se sob as mãos de Sarai para que pudesse se cumprir o plano que Deus tinha para ela. Provavelmente ela mesma já estava contemplando isto.
           Agar aparentemente era uma mulher justa. Ela parece ter ficado muito impressionada com este encontro com o Senhor.
           Agar também estava impressionada pelo fato de que Deus era um Deus que sempre a via. Dali em diante ela se referia a Deus como "Tu és Deus que me vê". Ela deu o nome ao poço no qual ela se encontrara com Deus de Beer-Laai-Rói, que significa "o poço Daquele que vive e me vê". Quantas pessoas nunca perceberam que Deus vê seus atos e pensamentos. Eles ficariam chocados em saber que Deus presta atenção neles. Que nós vivamos como aqueles que se lembram de que são observados pelos "olhos que tudo vê" de nosso Senhor.
           O Senhor também faz promessas a Agar (v.10-12). Aparentemente por causa de Abraão, Deus abençoou Agar e Ismael [Gênesis 17:18]. Entretanto, os descendentes de Ismael se tornaram inimigos de Israel. Isto não ilustra o fato de que a obra de Deus feita no poder ou sabedoria da carne sempre produzirá problemas, e por fim prejudicará a obra do Senhor?
Veja as promessas e profecias feitas a Agar:
a. Seus descendentes seriam uma multidão.
b. Ela teria um filho que se chamaria Ismael.
c. Ismael seria um homem violento, que ao mesmo tempo se oporia e sofreria oposição. 

              Aparentemente o povo Árabe, descendente de Ismael, tem exemplificado isto.
         Nos versículos 15 e 16 é relatado o nascimento de Ismael. Ismael nasceu de uma escrava e foi concebido estritamente pelo poder da carne. Ele permanecerá para sempre como uma figura daqueles que buscam a salvação através da lei. Como Paulo explica na epístola aos Gálatas no capítulo 4:
21 Dizei-me vós, os que quereis estar sob a lei: acaso, não ouvis a lei?
22 Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da mulher escrava e outro da livre.
23 Mas o da escrava nasceu segundo a carne; o da livre, mediante a promessa.
24 Estas coisas são alegóricas; porque estas mulheres são duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão; esta é Agar.
25 Ora, Agar é o monte Sinai, na Arábia, e corresponde à Jerusalém atual, que está em escravidão com seus filhos.
26 Mas a Jerusalém lá de cima é livre, a qual é nossa mãe;
27 porque está escrito: Alegra-te, ó estéril, que não dás à luz, exulta e clama, tu que não estás de parto; porque são mais numerosos os filhos da abandonada que os da que tem marido.
28 Vós, porém, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque.
29 Como, porém, outrora, o que nascera segundo a carne perseguia ao que nasceu segundo o Espírito, assim também agora.
30 Contudo, que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava será herdeiro com o filho da livre.
31 E, assim, irmãos, somos filhos não da escrava, e sim da livre.


Conclusão

1. Cuidado com conselhos, ainda de pessoas que lhe sejam queridas, mas que contrariam a vontade divina para sua vida.

2. Deus restaurou o caos produzido pela decisão errada de Sarai e Abrão. Mas todos os três sofreram as consequências daquela decisão. Muito cuidado com as decisões a serem tomadas em sua vida. Que possas confiar no Senhor, que possas saber ter paciência esperando nele! Confia no Senhor, não tente resolver as coisas à parte da vontade divina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário