A EDUCAÇÃO NO PERÍODO BÍBLICO VETEROTESTAMENTÁRIO
(Deuteronômio 6.1-9)


Introdução

           No período do Antigo Testamento a educação nas nações como nas orientais centralizava os aspectos místicos da religião, da mitologia ou especulações filosóficas. Em contrapartida à tendência educacional das demais nações, Israel focalizava os atos de Deus na história e as evidências históricas desses atos. Para entendermos a educação cristã, é necessário voltarmos no tempo e observar seus precedentes históricos, logo, se faz necessário nos voltarmos para a educação entre os hebreus.



1. CENTROS EDUCACIONAIS EM ISRAEL

1.1 O lar

           Desde a mais remota antiguidade, o lar ou a família tem sido a instituição educacional por excelência na terra. Quando se lê o Antigo Testamento ou outra literatura do período veterotestamentário e se começa a entender os princípios da raça humana da perspectiva hebraica compreende-se que o plano fundamental de Deus sempre foi o de que a educação de seu povo deveria começar no lar.  A educação dos filhos começava por volta dos três anos, quando já sabiam falar: orações e cânticos eram aprendidos por repetição. Em casa, observavam os símbolos e práticas religiosas que propiciavam oportunidade de ensino. Os pais tinham responsabilidades definidas na educação. O pai ensinava religião, a história do povo hebreu e uma profissão. Também deveria ensiná-lo a nadar e era responsável por encontrar uma esposa para seu filho. À mãe cabia ensinar suas filhas a serem obedientes e esposas capazes. As meninas aprendiam a cozinhar, fiar, tecer, tingir, cuidar de crianças e até dirigir escravos. Aprendiam a triturar grãos e às vezes ajudavam na colheita. Deviam ter boas maneiras e alto padrão moral. Segundo o costume da comunidade judaica, as meninas tinham oportunidades educacionais formais restritas e não lhes era permitido estudar a Lei. Não obstante, algumas tinham educação de alto nível em casa, aprendendo música, dança, leitura, escrita e a manejar pesos e medidas. Nas famílias ricas, os filhos tinham tutores em casa.
          É bem provável que a educação hebraica tenha-se concentrado na família como resultado de sua longa experiência como nação nômade.


1.2 O templo

           Como observamos, geralmente a instrução se dava no lar, porém havia ocasiões em que existiam outras formas de educação. O exemplo mais conhecido é a história de Samuel, cujos pais o entregaram ao sacerdote Eli para criá-lo e instruí-lo. A história de Samuel não deve ser considerada de forma isolada. O fato de Samuel ser da tribo de Efraim e não de Levi (a tribo sacerdotal) indica que existia a preocupação de dedicar alguns filhos a Deus de forma especial e lhes permitir crescer sob a tutela de um sacerdote.
           Além disso, há indícios de que as classes mais elevadas empregavam amas ou guardiãs responsáveis pela instrução das crianças a seu cargo, assim como tutores (Rt 4.16; 2 Sm 4.4; 2 Rs 10.5; Is 49.23).

1.3 As escolas de profeta (2 Rs 2.3,5,7,15; 4.38).

           As escolas de profeta constituem um fenômeno extraordinário quanto ao ensino, entre os hebreus. Há referência a essas escolas em narrativas do ministério de Elias, Eliseu e Samuel. Alguns estudiosos do assunto acreditam que tais “escolas” eram instituições organizadas com instrução programada, mas não há evidências suficientes que justifiquem essa opinião. Mas com certeza havia a transmissão da co conhecimento da aliança que Deus estabelecera com seu povo, logo, os profetas ensinavam aos seus discípulos as Escrituras, possivelmnete de forma mais contundente o livro de Deuteronônio. Os discípulos arendiam então das Escrituras e por meio das experiências observdas nas vidas de seus instrutores, os profetas.



2. PROPÓSITO DA EDUCAÇÃO HEBRAICA

2.1 Transmitir a herança histórica

           Durante todos os anos da vida de Israel, e especialmente durante os anos formativos, advoga-se com veemência que as gerações futuras deveriam nutrir-se das extraordinárias memórias históricas de tudo o que tinha acontecido no passado. Era fundamental que as gerações aprendessem a história dos patriarcas, da escravidão do Egito, dos pactos entre Deus e o povo através de Abraão, Isaque, Jacó e Moisés e dos demais eventos notáveis da história do povo de Deus. A transmissão dessa herança histórica foi, portanto, um dos mais importantes propósitos da educação em Israel.

2.2 Instruir na conduta ética

           Este propósito era evidente. Esta verdade era indicada através dos textos da Lei. Veja-se, por exemplo, os Dez mandamentos, há também um teor ético neles.

2.3 Assegurar a presença de Deus e sua adoração

           No centro da educação hebraica sempre esteve a idéia do conhecimento de Deus, a adoração e obediência ao Criador. Através da história Deus sempre foi o centro do processo educativo. O homem sempre procurou saber algo de sua existência, propósito e lugar no universo. Como povo que se considera escolhido por Deus para a realização de seus propósitos, os hebreus centralizaram seu ensino em Deus, mais do que qualquer outra nação na história.



3. CURRÍCULO

          A palavra currículo é usada de muitas maneiras. Para o nosso propósito significa o conteúdo da relação dinâmica entre ensino e aprendizagem. Examinemos os vários tipos de fontes ou currículo.

3.1 Tradição oral, simbolismo e ritual.

          Um dos métodos de ensino mais fantásticos era a tradição oral. Os hebreus guardavam fielmente os fatos de sua história repassando-os de pais para filhos.
           O calendário hebraico era uma ferramenta educacional importante, porque em determinados dias do ano era ministrada a instrução especial sobre os eventos que se comemoravam.
           Havia três festas principais no calendário hebraico (além de outras menores). Cada festa tinha um significado relativo à vida agrícola e também um sentido histórico.  A Páscoa representava o princípio da colheita, e comemorava a libertação do povo hebreu da escravidão egípcia. Pentecostes representava o fim de colheita, e comemorava a chegada dos hebreus ao Monte Sinai, onde receberam a lei. A Festa dos Tabernáculos representava uma época nas qual os agricultores viviam em tendas em seus próprios campos enquanto faziam a colheita, e comemorava os anos que Israel viveu no deserto.
           O significado destes eventos era discutido informalmente e, enquanto os meninos se sentavam para escutar ou enquanto se realizava uma festividade especial de comemoração, faziam-se perguntas. Com as perguntas curiosas e sua respectivas respostas as crianças aprendiam sua herança cultural (Ex 13.14; Dt 6.5, 7; Js 4.21, 22). Os hebreus então se utilizavam dos atos simbólicos, as festas e a transmissão oral para ensinar suas crianças, o que era facilitado pela curiosidade das mesmas.

3.2 A lei

           O principal conteúdo de ensino aos hebreus encontrava-se na lei. A palavra lei é tradução do hebraico Torah, instrução; do aramaico Dath, que significa estabelecido, e do grego Nomos, costumes. A Torah é constituída dos cinco primeiros livros do Antigo Testamento, e sem dúvida foi o elemento central na educação de Israel. Os pais tinham o dever de ensinar a lei a seus filhos.

3.3 Atividades cotidianas de ensino

           O ensino diário das crianças, além de sua herança histórica, era basicamente uma forma de treinamento quanto à sua utilidade para a família e para a sociedade, mas também constituía um treinamento nas artes e ofícios. Havia entre os israelitas muitos ofícios a aprender como por exemplo, pastorear ovelhas, trabalhar na agricultura, cozinhar , coser, fazer pão, tecer fiar, artes gráficas, música, dança e artesanato (1 Sm 16.18; Jz 21.21; Sl 137; Jr 31.13; Lm 5.14; 2 Sm 13.8; Ex 35.25, 26; Gn 29.6; Ex 2.16).

3.4 Literatura de sabedoria

           Os livros de Provérbios e Eclesiastes contêm uma espécie de pedagogia que merece destaque especial por seu valor educativo. Segundo alguns dos provérbios, há instrumentos que a família pode usar na criação dos filhos. Estes instrumentos podem ser usados em áreas como:
a) Instrução: Pv 1.8; 6.20, 23.
b) Exemplo ou modelo de comportamento: Pv 20.7; 23.26; 13.20.
c) Disciplina: Pv 3.11, 12; 19.20; 29.15; 22.15.



Conclusão

           Como pudemos perceber toda a educação israelita era educação religiosa. A bem da verdade, não havia um tipo de divisão da vida como as pessoas costumam fazer hoje, de vida secular e vida religiosa, toda a vida tem implicações religiosas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário