MENSAGEM DO DIA DOS PAIS


PRINCÍPIOS BÍBLICOS PARA PAIS E FILHOS (Efésios 6.1-4)


Introdução: Vivemos dias nos quais o conceito de família tem mudado bastante. Há muitas crianças e jovens que não tem um referencial de pai no seu lar, são educados apenas pela mãe. Há muitos pais que não assumem de fato suas responsabilidades enquanto pai. Há um distanciamento nos lares, ainda que estejam sob um mesmo teto, ou em um mesmo local muitas vezes não há comunicação, não há compartilhamento de experiências, não há diálogo. Todos esses fatores contrariam os mandamentos e ou conselhos bíblicos sobre o relacionamento familiar. A verdade é que aqueles que pensam sobre o assunto terão de admitir que na Bíblia a ensinamentos sublimes a respeito dos pilares fundamentais para uma família saudável e feliz. O que então a Bíblia diz a família sobre tais assuntos? O que diz aos pais? O que diz aos filhos? Sem a pretensão de esgotar o tema, vejamos um pouco sobre esse assunto. 


I – PAI, SEUS FILHOS SÃO DO SENHOR.
          De Deus é tudo quanto existe, nós que somos conhecedores da doutrina da mordomia cristã sabemos bem disso. Até mesmo nossos filhos são nossos apenas em um sentido que não anula o fato de que pertencem na realidade ao Senhor, como todos nós. O fato de que são do Senhor é compreensível e fácil de aceitar enquanto eles estão conosco. Mas Deus é que tem direito absoluto sobre eles, e torna-se difícil então aceitar essa realidade quando o Senhor os requer para si. Davi possivelmente compreendia bem que seu filho de fato não lhe pertencia, pois quando Deus lhe tira, ele não se revolta contra o Senhor, mas o adora, 2 Sm 12.20.


II – DEVERES DOS PAIS
                   a) O dever da educação, Hb 12.7.
“É para disciplina que perseverais (Deus vos trata como filhos); pois que filho há que o pai não corrige?”
          Hebreus 12.7 faz uma pergunta que deixa implícita sua resposta: “que filho há que o pai não corrige?” Ou seja, todo pai que realmente ama seu filho estará buscando corrigi-lo, ensiná-lo. Os pais têm o sublime dever de estar educando seus filhos. Este dever é anterior ao dever do Estado e ao da igreja. Busque ser o melhor pai ou a melhor mãe possível. Lembre-se:

*Mais importante do que dar presentes é dar o seu próprio ser. Citando Augusto Cury: “Muitos pais trabalham para dar o mundo aos filhos, mas se esquecem de abrir o livro da sua vida para eles. (Cury, 2007). Comunique-se bem com seus filhos, deixe que eles conheçam bem você, seus sonhos, suas frustrações, suas esperanças...

*Mais importante do que corrigir erros é ensinar a pensar. Aqui estamos falando de levarmos nossos jovens a desenvolverem consciência crítica, fidelidade, honestidade, a pensarem antes de agir, capacidade de questionar, responsabilidade social. Novamente Augusto Cury: “Bons pais dizem aos filhos: ‘Você está errado.’ Pais brilhantes dizem: ‘O que você acha do seu comportamento?”* Tanto crianças quanto jovens mudarão seu comportamento se levados a entender que estão em erro.

*Prepare seu filhos não apenas para os aplausos, mas também para o fracasso. É necessário que estejamos ensinando aos nossos filhos a lidarem com as decepções, com os infortúnios, para que possam adquirir capacidade de superação, paciência, ousadia e resiliência. Resiliência é a capacidade de superar os problemas, de passar pelos momentos tristes da vida sem desespero. O Senhor nos concede isso e é algo que podemos aprender d’Ele a desenvolver.   Portanto, é necessário ensiná-los a não estarem reclamando da vida, mas nutrindo um coração grato ao Senhor por tudo que ele já tem lhe concedido.

                   b) O dever da educação cristã, Pv 22.6.
“Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele”.
          Temos como cristãos o dever de ensinar nossos filhos sobre o que de fato é vida com Deus, o que de fato é o evangelho. A maior responsabilidade é nossa e não do professor da Escola Dominical. Infelizmente a realidade é que muitos pais tem falhado na educação cristã para seus filhos. Não bastam apenas palavras. É necessário que eles estejam percebendo que de fato temos vida com Deus. Como podemos incentivar à oração se nós mesmos não oramos com freqüência, como podemos lhes falar de honestidade, se nós não formos dizimistas? Etc.
           O texto de Efésios diz no v. 4: “criai-os na disciplina e na admoestação do senhor”. Admoestar é confrontar com os erros para fazer enxergá-los. Significa fazer seus filhos entender seus erros pela instrução da Palavra.

          c) O dever do cuidado.
          Podemos citar neste momento a obrigação que os pais têm de proteção, manutenção, alimentação, para com os filhos.


III – DEVERES DOS FILHOS
          a) O dever da obediência, Ef 6.1; Cl 3.20.
“Filhos, em tudo obedecei a vossos pais; pois fazê-lo é grato diante do Senhor”.
          Vivemos dias no quais muitos não respeitam as autoridades paternas, porém, percebemos que na maioria dos casos tais atitudes são fruto de uma educação defeituosa.        

          b) o dever de cuidar dos pais, “Honra a teu pai e a tua mãe”, v. 2.
O sentido aqui de honrar é obedecer, é respeitar, e também abrange o cuidado, o amor, a proteção.
          Estamos fazendo referência a esta questão aqui, porque às vezes percebemos muitos casos de pessoas idosas que vivem sem o devido cuidado familiar. Todos temos o dever de cuidar de nossos pais quando chegam à velhice. É fato que muitas vezes a atitude de abandono por parte de alguns filhos é uma resposta àquilo que eles mesmos sofreram por parte de seus pais, mas isto não justifica a negligência para com eles.   Cuidar dos pais é princípio bíblico, o cristão que fizer o contrário, diz o texto que está agindo de forma pior do que os ímpios.        
         
           Assim sendo, como hoje é dia dos pais gostaríamos de fazer algumas aplicações para os pais:
Aplicação: 1. Atualmente alguns pais tem estado temerosos co relação à disciplina de seus filhos por conta da chamada ‘Lei da Palmada’. Mas é preferível disciplinar nossos filhos hoje, para não termos de sofrer e levar nossos filhos ao sofrimento pelas consequências de ações de alguém que não foi devidamente disciplinado quando era necessário.

2. Mas entenda que disciplinar não significa espancar, uma coisa é uma palmada, surra é espancamento, é contrário á lei e aos princípios bíblicos e totalmente desaconselhável aos olhos da Psicologia.

3. É necessário que os pais estejam sabendo lidar com seus filhos compreendendo sua forma de pensar e suas necessidades psicológicas e sentimentais de acordo com suas faixas etárias. Quando o texto diz: “não provoqueis vossos filhos à ira”, significa que você não deve ser injusto, exageradamente severo, do tipo que reclama de tudo a todo momento, mas que deve ser compreensivo acerca de comportamentos que necessariamente não significam rebeldia, mas que são próprios da criança, do adolescente e do jovem em suas respectivas faixas etárias.

4. Trate bem seus filhos.
          Seja expansivamente afetuoso com eles. Não tenha vergonha de elogiá-los.
          Lembre-se que o modo como você trata (com palavras e gestos) seus filhos tem impacto sobre toda a vida deles.
          Não compare seus filhos com outros filhos.
          Exija dos seus filhos, mas não exija demais. Comente suas ações, mas não apenas critique.
          Crie oportunidades para que elas desenvolvam uma adequada auto-estima. Se for o caso, mesmo que falhem, dêem-lhe novas oportunidades

5. Receba seus filhos como presentes de Deus, Sl 127.3: “Herança do Senhor são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão”.
          Deixe que eles percebam que é assim que você os considera.

6. Mantenha constante diálogo.
                    Sejam amigos dos seus filhos, tenham um relacionamento de companheirismo e comunicação, mas sem se esquecer de seus deveres como pai. Ser amigo do filho não quer dizer não impor limites.
          Em muitos países desenvolvidos há um alto índice de suicídio por parte dos jovens, a falta de diálogo com os pais muitas vezes é um fator determinante que faz com que os jovens se vejam perdidos em seus problemas e sem esperança.
          “Os comportamentos inadequados muitas vezes são clamores que imploram a presença, o carinho e a atenção dos pais.”*

7. Você consagrou seu filho ao Senhor? Tem o dever de instruí-lo de acordo com a Palavra, não se esqueça de seu compromisso tornado mais sério por um compromisso assumido com Deus por meio desse ato.

CONCLUSÃO: Um lar que segue os princípios bíblicos, onde os pais estarão interessados não apenas em uma educação profissional para seus filhos, como também ensiná-los a viver em relacionamento com Deus; e os filhos em obediência, certamente haverá um relacionamento saudável e a bênção do Senhor estará presente. A despeito de problemas que uma família possa ter os princípios de Deus para ela são superiores a quaisquer outros...

Nenhum comentário:

Postar um comentário