Mateus 12.22-32

Trouxeram-lhe, então, um endemoninhado cego e mudo; e, de tal modo o curou, que o cego e mudo falava e via.
E toda a multidão se admirava e dizia: Não é este o Filho de Davi?
Mas os fariseus, ouvindo isto, diziam: Este não expulsa os demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios.
Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá.
E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?
E, se eu expulso os demônios por Belzebu, por quem os expulsam então vossos filhos? Portanto, eles mesmos serão os vossos juízes.
Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, logo é chegado a vós o reino de Deus.
Ou, como pode alguém entrar em casa do homem valente, e furtar os seus bens, se primeiro não maniatar o valente, saqueando então a sua casa?
Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.
Portanto, eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens.
E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro.


Introdução: Este texto nos traz a revelação divina de que todos os pecados que podemos cometer são passíveis do perdão de Deus, no entanto há um que o Senhor soberanamente decide de modo justo e santo não perdoar: trata-se da blasfêmia contra o Espírito Santo. Há muitas dúvidas sobre este assunto ainda para algumas pessoas, tentaremos então abordar esta questão por meio de algumas perguntas que podem ser feitas sobre este assunto, buscando trazer as respostas bíblicas.


Tema: PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO


I – O QUE NÃO É BLAFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO?

Incredulidade final. Algumas pessoas quererão afirmar que este terrível pecado dar-se quando alguém morre em incredulidade, tendo ouvido a pregação do evangelho, mas nunca creu em Jesus como salvador. Incredulidade final, no entanto, não pode ser a blasfêmia contra o Espírito Santo, pois, no texto a palavra blasfêmia se refere a uma verbalização, embora de fato seja verbalização daquilo que está no coração. Mas ainda assim trata-se de uma ação que vem à tona pelo pronunciamento de palavras.
Rechaçar por um tempo a graça divina. Também não é se opor ao Senhor em uma determinada época da vida. Por um tempo Paulo rejeitou a graça de Deus (At 26:9; 1 Tm 1:13). Mas veio a se arrepender e ter o perdão divino.
Negação de Cristo. Pedro negou a Cristo (Mt 26:69-75). Os irmãos de Cristo no início não creram em Jesus (Jo 7:5). Simplesmente não crer em Jesus, ser ateu Poe exemplo não constitui blasfêmia contra o Espírito Santo. Quanto à negar a Jesus à semelhança de Pedro, muitos na história da igreja já o fizeram, no entanto encontram o arrependimento.
Negação da divindade do Espírito Santo. Se fosse este o caso não poderia haver nenhuma possibilidade de as testemunhas de Jeová se arrependerem de sua heresia e encontrarem a salvação em Jesus, nem também os ateus poderia vir a ser salvos.
Pecados contra o Espírito Santo. A bíblia nos fala de pecados contra o Espírito Santo, mas em nenhum dos casos se refere à blasfêmia que estamos levando em, consideração.
           Primeiro, não é entristecer o Espírito Santo: “Não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção” (Ef 4:30). Um crente pode entristecer o Espírito Santo, mas jamais pode cometer o pecado imperdoável. Davi entristeceu ao Espírito Santo, mas arrependeu-se.
           Segundo, não é apagar o Espírito Santo: “Não extingais o Espírito” (1 Ts 5:19). Um crente pode apagar o Espírito Santo, deixando de obedecê-lo, deixando de honrá-lo, mas jamais pode blasfemar contra o Espírito Santo.
           Terceiro, não é resistir ao Espírito Santo: “Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais” (At 7:51). Muitas pessoas que durante um tempo resiste ao Espírito Santo, ao cabo de um tempo, humilha-se diante dele, como alguns dos sacerdotes que rejeitaram a mensagem de Estevão, mais tarde, foram convertidos a Cristo.
Quarto, não é mentir ao Espírito Santo: “Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade?” (At 5:3) – Ananias mentiu ao Espírito Santo através da dissimulação. Muitas pessoas ainda hoje tentam impressionar as pessoas para ganhar o aplauso delas e mentem ao Espírito Santo, aparentando ser quem não são.
Não é a queda dos salvos. Os salvos não podem blasfemar contra o Espírito Santo, pois quem o pratica é réu de pecado eterno: “Qualquer, porém, que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas será réu do eterno juízo” (Mc 3:29), enquanto o ensino claro das Escrituras é que uma vez salvo, salvo para sempre: “Eu lhe dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão” (Jo. 10:28). E impossível um salvo cair permanentemente e perecer: “Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo”(Fp 1:6).


II – O QUE É BLASFÊMIA CONTRA OS ESPIRITO SANTO?

A blasfêmia contra o Espírito Santo é a verbalização clara e consciente de ofensas ao Espírito Santo com conteúdo de atribuição da obra de Cristo ao diabo.  A blasfêmia constitui no fato de afirmar que o poder que age em Cristo não é o Espírito Santo, mas Satanás. Observe bem o texto que estamos abordando. Era evidente que Jesus era profeta de Deus. Isso era demonstrado:
a) Por aquilo que ele ensinava; b) Pelas obras miraculosas; c) Pela sua ética de vida. Os fariseus não poderiam de modo coerente e honesto negar tudo isto, não havia como eles não perceberem que Jesus era profeta de Deus, poderiam não crer nele como Messias, mas jamais acusá-lo de estar agindo sob o poder Belzebu.
           Portanto aqueles que acusaram Jesus de expulsar demônios pelo poder de Belzebu sabiam perfeitamente que estavam cometendo uma acusação falsa contra um profeta de Deus. Belzebu é a contração de dois nomes: Baal, que significa senhor, e zebu que significa mosca: o senhor das moscas.


III – UM SALVO PODE BLASFEMAR CONTRA O ESPIRITO SANTO?

De modo algum, é simplesmente impossível. Mas alguns irão querer citar Hebreus 6:4,5 como uma possibilidade disso poder ocorrer na vida do salvo. O texto diz: “Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo.
E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro,
E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério”
. Este texto não se refere a pessoas salvas, mas aos réprobos, aqueles que deliberadamente rejeitam a graça e por isso, estão incluídos no pecado da blasfêmia contra o Espírito Santo. Essa pessoas nunca foram salvas, embora tenham tido algumas experiências em sua vida de conteúdo espiritual, isso é evidente pelo fato de estar no meio da igreja, sem ser igreja.


IV – POR QUE A BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTOS É IMPERDOÁVEL?

Como este pecado é realizado com a devida iluminação de quem é Cristo, qual é sua obra, e que temos a necessidade de perdão divino; blasfemar contra o Espírito de Deus é imperdoável porque é a mais radical forma de o ser humano fechar o seu coração para a graça divina, é a rejeição mais radical da salvação em Cristo. É pior do que o ateísmo ou qualquer religião idólatra que você possa imaginar.


Aplicação: 1. Não devemos fazer julgamento sobre quem blasfemou ou não contra o Espírito Santo. Isto pertence a Deus, só ele conhece os corações.

2. Estejamos sempre tranquilos em nossa consciência quanto a este pecado, pois aquele que é regenerado em Cristo é impossível cometer este pecado. Se alguém imagina que o cometeu, o simples fato de se preocupar com isto, de se entristecer com esta possibilidade já é uma prova de que tal pessoa não blasfemou contra a terceira pessoa da Trindade. Afinal o próprio Espírito que nos leva a nos entristecer pelos nossos pecados.

3.  Para aqueles que não são comprometidos com Cristo fica a advertência de que devem evitar a leviandade.

CONCLUSÃO: É maravilho sabermos que independentemente do pecado que venhamos a cometer, a porta da graça e do arrependimento sempre estará disponível a nós, ovelhas do Senhor.
Ao Senhor toda a glória!

Um comentário:

  1. Assunto polêmico, mas o Pastor discorreu bem sobre ele, como sempre o faz heheheh (sou suspeito para falar).

    Geralmente muitos abordam o tema na perspectva da "incredulidade final" em conjunto com a "Negação de Cristo" e a "Rejeição a Sua Obra".
    Mas o Pastor os define muito bem colocando cada um em seus lugares e fazendo emergir o que realmente o texto aponta como a Blasfêmia Contra o Espirito Santo seus efeitos e sua origem.

    Muito bom!

    Abs

    ResponderExcluir