Tiago 2.1-14

Elucidação: O apóstolo Tiago escrevendo aos irmãos dispersos que se reuniam na sinagoga para adorar ao Senhor lhes instruiu que não deveriam seguir o exemplo do fariseu quanto ao tratamento aos irmãos. Eles deveriam tratar uns aos outros com a devida honra e respeito, sem distinção de classe social. Deveriam tratar os mais pobres materialmente com a mesma honra que tratavam os de elevada condição social. Tiago deixa claro que a atitude errada deles demonstra claramente o quanto eles eram transgressores de toda Lei. Pois a Lei mosaica exigia uma obediência completa. Isso tudo Tiago ensina para eles entenderem que não poderiam julgar os irmãos, não poderiam ser demasiadamente severos, e ninguém deveria ser favorecido em detrimento de outrem. A misericórdia deveria estar presente nos relacionamentos. Logo, se constituía um grande risco a atitude de julgamentos entre os irmãos.

Tema: OS PERIGOS DE JULGAR NOSSOS IRMÃOS EM CRISTO

I – SERMOS PARCIAIS DE ACORDO COM NOSSOS PRECONCEITOS, 1-4.
Tiago nos diz que a fé que devemos ter em Cristo deve ser destituída da acepção de pessoas.  Acepção: é fazer julgamentos e estabelecer diferenças baseadas em considerações externas, tais como a aparência física, status social ou raça.  Aqui podemos tirar uma séria consequência de um modo de agir contrário ao que Tiago aconselhou. A primeira delas é que se agirmos com acepção de pessoas estaremos na realidade negando nossa fé em Cristo. Por que isso?  Porque Jesus não valorizava as pessoas pela cor da pele, pela beleza das roupas, pelo dinheiro. Jesus não julgava as pessoas pela aparência (Mt 22:16).
           Todos corremos o perigo da parcialidade. Ninguém é 100% neutro. Parcialidade é abraçar o partido de alguém, associa-se a alguém, conjurar-se a alguém. E quando alguma pessoa é parcial no julgamento ela está favorecendo um determinado partido ou determinados interesses.
           Por conhecer a natureza humana e quanto somos parciais é que Jesus nos adverte: “Não julgueis para que não sejais julgados. Pois com o critério com quem julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também” (Mt 7.1, 2).
           Vivemos em um mundo caído, e por conta do pecado haverá circunstâncias que julgaremos, mas o nosso critério quando houver a real necessidade de fazer um julgamento a respeito de algum fato não deve ser nossos preconceitos, mas a Lei de Deus, Sua Palavra.

II – ESQUECERMOS QUE TAMBÉM SEREMOS JULGADOS, 5-12.
 No v. 5 a ênfase de Tiago é sobre a soberana escolha de Deus. A salvação não está baseada em mérito humano nem mesmo em nossas obras. A salvação não é nem comprada nem merecida (Ef 1:4-7; 2:8-10). Deus ignora diferenças nacionais (salvou Cornélio). Ele ignora diferenças sociais (salva senhores e escravos – Filemon e Onézimo). Deus não faz acepção de pessoas.
           Tiago nos mostra então que nossas atitudes de julgamento, nossa acepção com as pessoas está em contraste com a forma de Deus agir. Devemos ser imparciais com todos vivenciando a lei do amor (v. 8) baseando-se na Palavra de Deus, sabendo aliás, que a verdade tem primazia quando contraposta a alguma atitude “amorosa”.
           Aquele que sempre se prontifica a julgar os outros se esquece de sua própria condição, e Jesus adverte seriamente contra esse perigo, Mt 7.1-5. Tal pessoa esquece que prestará contas ao Senhor. Nossa fé será finalmente provada no dia do juízo. E o que será julgado? 1. Nossas palavras – Palavras de acepção (2:3), palavras de desprezo (2:6), palavras frívolas (Mt 12:36); 2. Nossas atitudes serão julgadas – Quando não de misericórdia com as pessoas, estamos negando a nossa fé e atraindo sobre a nossa cabeça o juízo de Deus (2:13).

III - ESQUECERMOS DE USAR DE MISERICÓRDIA, 13.
Misericórdia tem um significado muito profundo. Vindo da palavra hebraica hesed usada principalmente em Oséias, ela quer dizer amor incondicional, compaixão. Em Latim, significa sofrimento (miséria) do coração.

           Na teologia ela tem um significado de não aplicar a punição merecida. Ou seja, quando nós pecamos, muitas vezes Deus não nos pune, não nos castiga com o castigo que mereceríamos receber.
           Deus foi infinitamente misericordioso conosco em nos concedendo a salvação. Usa de sua misericórdia a cada dia em nossas vidas como diz Jeremias em Lamentações 3.22, 23; logo temos o dever de usar de misericórdia para com todos, afinal, a misericórdia fundamenta-se no amor. O Senhor tem misericórdia de quem quer, como é expresso em Romanos 8, nós porém não temos esta escolha, quando a negligenciamos estamos incorrendo em pecado. E quando nos acostumamos a julgar os outros esquecemos de ser misericordiosos.

Aplicação: 1. Cuidado meu irmão (ã) para não ser aquele tipo de pessoa que tem sempre um julgamento, ou melhor, já um veredicto pronto para as pessoas.
2. Lembre-se que se você usar de misericórdia, Deus usará de misericórdia com você.
3. Lembre-se que você não tem o direito de se colocar como juiz de tudo e de todos. Resista a essa tentação.

Que o Senhor da Glória nos abençoe em cristo Jesus e Seu Espírito sempre quebrante nossos corações!

Nenhum comentário:

Postar um comentário