Sola Fide – o conceito de fé na vida prática da igreja na Reforma e nos dias atuais

“Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, sem as obras da lei” (Romanos 3:28)


Introdução

Um dos conceitos mais problemáticos em nossos dias é o de fé. Embora fé seja algo básico, essencial para o início da vida cristã, sua essência não é compreendida e a ideia da mesma é explorada das mais diversas formas possíveis no contexto atual de igreja. Muitos irão falar de fé como meramente pensamento positivo, o que foge totalmente do que nos mostra a Palavra acerca desse assunto. Há por assim dizer quatro tipos de fé:
a) fé histórica – uma mera apreensão da verdade sem um comprometimento pessoal. Significa que a pessoa aprendeu alguns conteúdos em seu ambiente cultural/educacional que estão de acordo com o evangelho.
b) Fé miraculosa – meramente crer em milagres, crer que você pode ser usado por Deus para a realização de um milagre ou que um milagre pode acontecer em sua vida.
c) Fé temporal – aqui há um comprometimento pessoal, contudo é aquele compromisso que Jesus denuncia em sua parábola em Mt 13.20-21 (a semente semeada em solo rochoso, logo se escandaliza em face a perseguição por causa da palavra).
d) E a fé salvadora, que pode ser definida como “uma certa convicção, produzida pelo Espírito Santo no coração,  quanto à veracidade do Evangelho, e uma segurança (confiança) nas promessas de Deus em Cristo” (BERKHOF, 1996, p. 506).
Esta é a fé vivenciada pelos regenerados, por aqueles justificados em Cristo.
Nossa intenção é refletir sobre essa fé por meio da qual somos justificados, gerada em nós pelo Espírito Santo.
Vejamos a questão da fé no contexto histórico da Reforma Protestante, sua definição bíblica, sua vivência nas igrejas contemporâneas buscando perceber propostas práticas para a igreja fundamentada nas escrituras.


I – A FÉ NO CONTEXTO HISTÓRICO/CULTURAL DA REFORMA PROTESTANTE

Falar de fé no contexto da reforma protestante é lembrar o conceito católico romano de salvação acentuado naquele contexto pela exploração da fé popular. Refletir nesse assunto é pensar em justificação, pensar nas obras humanas e na graça de Deus.

a) A teologia católica romana de salvação.

A doutrina da ICAR é que a salvação pode ser alcançada por meio da igreja, a igreja é um meio de graça. A salvação é dada aos homens por meio da igreja através dos sacramentos. Os vigários de Cristo tem essa responsabilidade, de distribuir Cristo aos homens no ato da Missa (Eucaristia). O Batismo cancela a culpa do pecado original. Negam que a salvação seja somente pela fé, somente pela graça.
Há evidentemente muitos detalhes a esse respeito, mas fica claro que para a ICAR é necessário algo mais do que a mera fé em cristo como salvador.

b) A definição católica romana de justificação.

Para a teologia Católica Romana a justificação é processual. É algo que acontece após a expulsão do pecado no batismo, consiste em adquirir novas virtudes que capacita a obras meritórias e que como consequência recebe graça para uma justificação mais perfeita. Pode-se perder a graça da justificação, mas pode-se tê-la restaurada pela penitência, que eles consideram um sacramento.
Sacramento - "Um sinal visível e eficaz da graça, instituído por Jesus Cristo, para nossa santificação.”


c) A aplicação doutrinária da vida prática da igreja no século XVI.

Uma forma distorcida de compreensão do evangelho levou inevitavelmente à uma igreja corrompida e maligna. Todo poder religioso, político, social conquistado pela igreja estava sendo utilizado em seu próprio benefício. O Clero em sua maioria pensava apenas em manter seu sistema de vida.
O sentimento de culpa era instigado pela igreja, que dispunha para o povo sua ‘parafernália eclesial’: indulgências, peregrinações, relíquias, veneração dos santos, rosário, dias de festa, adoração da hóstia consagrada, a repetida reza do “pai nosso”; tudo isso fazia parte do sistema de penitência para que as pessoas pudessem estar de maneira apropriada diante de Deus, sendo desse modo, exploradas pela igreja. Os dogmas e os costumes concediam ao clero um poder de dominação.

d) A justificação pela fé somente

Foi polêmica a tradução de Lutero do texto de Romanos 3.28 ao adicionar na tradução alemã a expressão “somente”.
          Alguns há que talvez afirmem que Lutero formulou uma doutrina da justificação pela fé somente de forma repentina ao ler Romanos. Não é verdade! A leitura de Romanos foi o clímax de um processo de muitos anos para a compreensão correta da doutrina da justificação. Lutero foi formulando sua doutrina ao mesmo tempo em que ia vivendo de forma prática a busca pelo real perdão. Durante muito tempo Lutero não conseguiu estar em paz espiritual, pois acreditava ter de confessar continuamente seus pecados. E quanto mais confessava, mais acreditava ter pecados não confessados.
          Nesse processo para a compreensão correta da justificação, inicialmente ele foi influenciado pela doutrina nominalista. O nominalismo vai ensinar que devemos fazer o melhor que pudermos para receber a graça de Deus. “Portanto, assim como a lei era uma figura e uma preparação do povo para receber a Cristo, também o fazer o que está em nós (factio quantum im nobis est) dispõe-nos para a graça.” Esta doutrina influenciou Lutero através dos escritos do teólogo Gabriel Biel. Lutero defendeu uma forma dessa doutrina até 1516 ou início de 1517.
          A próxima peregrinação doutrinária de Lutero foi aos escritos do místico dominicano Johanes Tauer, em 1516. Foi seu mentor espiritual Staupitz que o conduziu a essas leituras. Os místicos ensinavam uma união com Deus através da contemplação mística.
          Para os místicos o pecado era uma fraqueza passiva ou uma ausência de bem. O homem se tornava justificado à medida que se unia a Deus de forma contemplativa, à medida que deixava seu ser submerso por Deus. Porém, Lutero foi compreendendo a incapacidade humana de o homem salvar a si mesmo e de manter qualquer postura justa diante de Deus. O abandono a esta doutrina era inevitável.
          A próxima parada de Lutero é em Agostinho com sua justificação progressiva. Porém, Lutero rompe com Agostinho quando adquire uma nova compreensão da justiça de Deus expressa em Rm 1.17: “[...] a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”. Só a fé justifica (Sola fides justificate). A justiça de Deus é imputada ao homem, se adquiri essa justificação somente pela fé, ou seja, a fé é o canal em que opera a justificação, e o homem então é agora “a um só tempo pecador e justo”.
          Sobre Agostinho, Lutero diz: “Agostinho chegou mais perto do sentido paulino do que todos os estudiosos, mas não alcançou Paulo. No começo, eu devorava Agostinho, mas quando a porta para Paulo abriu-se e entendi o que era realmente a justificação pela fé, descartei-o”.


II – A DEFINIÇÃO BÍBLICA DE FÉ E JUSTIFICAÇÃO

a) A justificação
Não dá para mensurar a importância dessa doutrina para a vida da igreja. Os reformadores a enfatizaram grandemente. João Calvino, diz nas Institutas que ela é “o principal ponto de apoio sobre o qual se articula a religião” (Institutas 3.11.1). Já Lutero afirma: “o tema principal do qual fluem todas as outras doutrinas”. Assim, é triste termos de admitir a ignorância do povo de Deus a respeito da Justificação pela fé somente.
Justificação é “um ato judicial de Deus, no qual Ele declara, com base na justiça de Cristo, que todas as reivindicações da lei são satisfeitas com vistas ao pecador” (BERKHOF, 1996). Ou seja, somos perdoados com base nos méritos de Cristo, a culpa do pecado original retirada, adentramos então a uma nova vida espiritual por meio da fé.

b) Definição bíblica de fé
Fé não é apenas aceitação intelectual de fatos, mas uma confiança comprometedora com Cristo. É viver em Cristo e para Cristo, habitar nele, relacionar-se com ele (Jo 15.1-11). Fé para o autor da epístola aos hebreus é obediência, é perseverança na esperança da promessa divina, é confiança de que o Senhor te capacitará como peregrino neste mundo a viver para ele e finalmente chegar à Sua presença eterna.
Essa fé genuína é crer na Palavra de Deus e viver por ela. Está presente em nossas vidas como obra do Espírito Santo: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não de vós; é dom de Deus; não de obras, para ninguém se glorie.” (Efésios 2:8).

c) Cristo por meio da fé

Sabemos que somos ainda pecadores, que muito frequentemente estamos como merecedores da justiça divina sobre nós, contudo, ainda assim vivenciamos o árduo e maravilhoso processo da santificação. Em nossa trajetória espiritual ocorre que muitas vezes não somos castigados porque os méritos de Cristo estão sobre nossas vidas. A justiça de Cristo é creditada a nós pela fé. Assim, não é a fé enquanto elemento subjetivo humano que deve ser exaltada, mas a justiça de Cristo imputada a nós por meio da fé. Os reformadores já diziam: per fidem propter Cristus – pela fé por causa de Cristo.
O Espírito Santo gera em nós a verdadeira fé, a fé salvadora. Por meio dessa fé somos justificados em Cristo. Contudo, a vida diária nessa fé é algo subjetivo. Isto significa que poderá haver momentos de dúvidas, haverá momentos em que o cristão se sentirá fraco espiritualmente, desanimado, bem como poderá haver o afastamento prático da comunhão com o Senhor. Alguém poderá afastar-se dos momentos de cultos ao Senhor, poderá deixar-se levar pelo pecado, contudo, não poderá com suas ações anular a grandiosidade e perfeição da obra redentora de Cristo. A justiça de Cristo que redimiu o pecador é suficiente para manter sua salvação independentemente da inconstância da vivência cotidiana da fé.


III - AS IGREJAS CONTEMPORÂNEAS E SUAS VIVÊNCIAS DE FÉ

Acredito que não há necessidade ser extensivo neste tópico, apenas lembrando que em nossos dias também ocorrem algumas distorções heréticas motivadas por razões semelhantes à dos clérigos do século XVI. Atualmente também há o comércio da fé do povo, adoradores de Mamom que utilizam seus artifícios malignos para enriquecer em suas supostas igrejas. Podemos ainda mencionar:
·         Denominações centradas na figura de seu líder. Uma ofensa ao sacerdócio universal de todos os crentes, logo, uma ofensa à Palavra de Deus.
·        Igrejas direcionadas mais pelos seus costumes, pelo denominacionalismo exacerbado que pela Palavra de Deus.
·        Teologia da prosperidade. Algo demoníaco contra o qual a igreja tem que estar protestando.
·        Insensibilidade e afastamento social. Evangélicos nominais que vivem de modo muito egoísta esquecendo o amor e misericórdia.

Mesmo entre os bem intencionados há erros doutrinários quando em seu marketing eclesiástico roubam da cruz de Cristo a sua ofensa e reduzem a fé cristã aos princípios e métodos que oferecem sucesso às empresas seculares (BOICE, et. al. 1993, p. 14).
Na vida prática de alguns cristãos, por falta de uma interpretação correta das Escrituras, associam suas obras à salvação. Não compreendem a doutrina da justificação pela fé somente, assim, vivem com medo de perder a salvação.


IV – UMA PROPOSTA PARA AS IGREJAS FUNDAMENTADAS NAS ESCRITURAS

Diante da realidade atual podemos nos perguntar: precisamos de uma nova Reforma. Sim e não. A resposta é positiva no que tange a mudar muitas coisas que na práxis da igreja atual encontra-se corrompida pelo mundanismo, pelo relativismo teológico e pelo materialismo. A reposta é negativa se essa nova reforma não for um retorno à Palavra.
Desse modo, precisamos de uma nova reforma que seja meramente um retorno aos antigos princípios reformadores: Sola Fide, Sola Gratia, Sola Scriptura, Sola Cristus, Soli Deo glória.


CONCLUSÃO

Crer na justificação pela fé somente nos traz alguns benefícios para o dia-a-dia cristão:

1. Destituir-se na vanglória (Rm 3.27).
Paulo cita Jr 9.24 em 1 Co 1.32: “Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor”.
Ninguém pode se exaltar pela sua salvação, uma vez que é unicamente obra divina. Assim, o que somos e fazemos enquanto cristãos reconhecemos o nosso demérito e a graça do Senhor em nossas vidas. Os que assim creem não viverão a gloriar-se, mas em louvor ao Senhor, desde agora e eternamente. 

2. Viver a segurança que nos advém de saber que somos justificados: “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica” (Rm 8.33).

3. Viver em gratidão. Que seu coração esteja repleto de gratidão, pois Ele te justificou, para que isso acontecesse por meio do Seu Santo Espírito Ele gerou a fé verdadeira em você, te conduziu ao arrependimento, te fez nova criatura, te sustenta e pode ter certeza “que aquele que começou a boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Fp 1.6).

4. Compreensão correta das obras. Realizar boas obras como expressão do que somos em Cristo. Até mesmo Lutero, que teve inicialmente dificuldade em entender a epístola de Tiago declara:
[...] Onde está fé? O que acontece a ela? Onde ela se mostra? Porque, certamente, ela não pode ser uma coisa tão apática, inútil, surda ou morta, deve ser uma árvore viva e produtiva, que dê frutos (LUTERO apud GEORGE, 1994).

Assim, viva a sua fé expressando o amor a Deus amando os outros, realizados obras que não visam uma autojustificação, mas porque fomos justificados por meio da fé em cristo Jesus.


Referências

BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. Editora Luz Para o Caminho, 4ª edição, São Paulo - SP, 1996.
BOICE, James M. et. al. Reforma hoje: uma convocação feita pelos evangélicos confessionais. Ed. Cultura Cristã, 1ª edição, Cambuci, SP, 1999.
GEORGE, Timothy – Teologia dos reformadores. São Paulo: Vida Nova, 1993.




Nenhum comentário:

Postar um comentário