Êxodo 20.7 O Terceiro Mandamento ou o Testemunho da Santidade de Deus


Introdução


O terceiro mandamento é a exigência divina para com a devida reverência à Sua pessoa. Não tomar o nome de Deus em vão implica o reconhecimento de sua santidade. Para os judeus o nome estava intimamente ligado à pessoa, indicando seu caráter ou o caráter de seu pai (Êx 3.13; Mt 1.21) ou também tinha o sentido de denotar a posição e a função de quem usava o nome (Êx 23.21).
Deus se revela ao seu povo na antiga Aliança por diversos nomes, cada um deles apontando para os atributos divinos, de modo que eles invocavam ao Senhor usando um determinado nome a depender da circunstância vivenciada. Assim temos:

EL / ELOHIM: Soberano Criador
JEOVÁ (YHAWEH): “EU SOU”
EL SHADAY: Deus Todo Poderoso, Onipotente
ADONAI: Senhor (dono)
JEOVÁ JIRÉ: Deus proverá
JEOVÁ M’KADESH: o Deus que santifica
JEOVÁ NISSI: O Senhor é a nossa bandeira
JEOVÁ RAFÁ: Eu sou o Deus que te sara
JEOVÁ SHALOM: O Senhor é a nossa Paz
JEOVÁ TSIDKENU: Senhor, Justiça nossa
EL ROHI: O Senhor é o meu Pastor
JEOVÁ SHAMNAH: O Senhor está presente aqui
EL ELYON: O Deus Altíssimo
JEOVÁ TSEBAÔ: O Senhor dos Exércitos
JEOVÁ MAKKE: O Senhor nos corrige
JEOVÁ GMOLÁ: O Senhor das recompensas
JEOVÁ ELOAI: Senhor meu Deus
EL ELOAH: O Deus pessoal
JEOVÁ ELOENU: O Senhor nosso Deus
EMANUEL: Deus conosco

O nome que o SENHOR revela-se a Moisés como o Deus da aliança que haveria de libertar seu povo da escravidão do Egito é YAVÉ, ou JAVÉ, de onde resulta também JEOVÁ. O significado desse nome é “eu era quem eu era”; “eu estou sendo quem estou sendo”; “sou quem sou” (Êx 3.14) ou ainda “eu serei o que serei” (Êx 3.12).


I – A proibições bíblicas para com a falta de reverência ao SENHOR.

O que de fato está proibindo o terceiro mandamento é o uso leviano do nome do SENHOR. Está em foco o costume antigo do juramento para atestar a veracidade de algo dito. Conforme Lv 19.12 o jurar em falso pelo nome do Senhor é condenado por este mandamento: “nem jurareis falso pelo meu nome, pois profanaríeis o nome do vosso Deus. Eu sou o Senhor”.
A reverência ao nome do Senhor é a reverência ao próprio Senhor. Por isso a exigência divina.  O próprio texto em questão diz que o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.
No Antigo Testamento era rigoroso o castigo para a falta de reverência com o nome divino, apedrejamento (Lv 24.16).
E de fato os judeus puseram em prática pelo menos esse sentido literal de não usar o nome do Senhor em vão, na verdade eles temiam até pronunciá-lo, substituíam por outras expressões ou nomes que se referiam ao Senhor. À vezes se referiam a Ele por Adonai (Senhor), por Ha Shem (O Nome) ou ainda por El Olam (O Eterno). Devido a isso ninguém sabe ao certo qual a pronúncia correta do nome divino YHWH.
EM VÃO – A palavra hebraica para o sentido de “vão” é “SHAW” e significa usá-lo de maneira imprópria, vazia de sentido, insincera, frívola, ou para finalidades que nada têm a ver com o verdadeiro propósito de Deus nos ter dado o seu nome.
Quais atitudes então podemos entender que estão proibidas a nós com relação a reverenciar o nome do Senhor?
a) Votos cínicos ou juramentos falsos, Ec 5.4, 5; Mt 5.33-37.

O Antigo Testamento proíbe a precipitação naquilo em que nos comprometemos ao Senhor. Não ocorre na verdade uma proibição do juramento no Antigo Testamento, mas da leviandade.
No Novo Testamento Jesus amplia ao pontuar que a postura mais reverente e compatível com uma vida na verdade é banir o juramento no sentido de ser verdadeiro em todos os momentos. Ele está colocando um ideal para nós. Não necessariamente proibindo todo e qualquer juramento, mas dizendo que é desnecessário em dia-a-dia. “De modo nenhum jureis” – e depois toma tudo o que é inferior a Deus, mas que é superior a nós e que serviam de motivo para os judeus estarem jurando. A rigor, Jesus está dizendo não tomeis por testemunha nada que seja o próprio Senhor. Jurar é tomar por testemunho. Conforme o costume da igreja primitiva o apóstolo Paulo toma a Deus por testemunha ao falar de sua preocupação com a igreja (Rm 1.9).

b) A banalização

Ocorre em nossos dias com ênfase acentuada o fenômeno da banalização do sagrado. Isso ocorre por meio de expressões ou por meio de atitudes. Por ex.: “meu Deus”, “Deus me livre”, “se Deus quiser”, “Deus é testemunha” são expressões ditas muitas vezes destituídas de reflexão e reverência, excessivamente comuns na cultura brasileira. A banalização é tal que hoje em dia há coisas do tipo: “acredite em si, pois Deus tem mais fé em você do que você mesmo”. A banalização das atitudes está em nossa cultura por meio de expressões da cultura gospel: “frases bíblicas nos carros”, o mercado dos supostos artigos cristãos (objetos, música, etc). Algumas coisas não são erradas em si, mas a forma como delas utilizamos é onde se encontra o erro.
Dentro deste aspecto encontramos a repreensão do Senhor diante do uso de seu santo nome por pessoas que por Ele não foram autorizadas a falar em dado momento. Jr 23.25-27 traz uma advertência nesse sentido.

c) A incoerência

Tomamos o nome de Deus e vão quando nossa vida não está coerente com o que estamos falando. A hipocrisia, o honrar ao Senhor apenas com os lábios é tomar o nome do Senhor em vão.
No Novo Testamento encontramos os judeus acusando Jesus de tomar o nome do Senhor em vão. Os fariseus entendiam que quando Jesus afirmava que Deus era seu pai estava sendo leviano com a santidade do nome do Senhor. Além do fato de que consideravam que ele colocava-se como igual a Deus, logo, na mentalidade judaica para daqueles líderes Jesus era merecedor de ser apedrejado (Jo 10. 30-33).


II – O uso correto do nome do Senhor.

No Novo Testamento o melhor exemplo a esse respeito nos vem do ensino de Cristo na oração do pai nosso. “[... santificado seja o Teu nome]”. É evidente que o nome do Senhor já é santo em si, mas nessa expressão de Jesus está como deve ser nossa atitude com relação ao Nome Santo.
Aqui se trata do inverso do mencionado anteriormente, ou seja, cumprir os seus votos ao Senhor, ter a devida reverência para com Ele. As pessoas em seu suposto direito de livre expressão faltam com o respeito para o que é divino. É comum vermos o nome santo do Senhor envolto em piadas mundanas, mais triste é percebermos que muitos cristãos consideram isso normal. Viver coerentemente o evangelho também é cumprir positivamente o terceiro mandamento.


Conclusão

Não podemos ignorar a lei de Deus. Sabemos que não conseguimos guarda-la perfeitamente. Mas, Deus, por sua graça, nos socorre em Jesus Cristo, cujo nome, ele exaltou acima de todo o nome – Ef 1.21.
Quando Deus exalta o nome de Jesus acima de todo om nome conduz-nos à adoração à ele. Assim, cumprimos o mandamento de honrar o nome de Deus, honrando o nome de Jesus – Fp 2.10, 11.
Hoje então, podemos honrar o nome de Deus. Isso é possível em Cristo, por meio do ministério do Espirito Santo, Pois, o Espírito Santo aplica as virtudes de Jesus em nosso coração – Ez 36.27; Jo 16.14; Rm 8.14-17.

Sejamos perseverantes então em honrar o nome de cristo em nossas vidas: “Conheço as tuas obras - eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar - que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome” (Apocalipse 3.8).

Nenhum comentário:

Postar um comentário