Zacarias 8.13-23 - O poderoso favor de Deus ao seu povo

Introdução

           Zacarias foi um profeta que Deus instrumentalizou para incentivar o povo a reconstruir o templo, contemporâneo de Ageu, era ainda jovem quando começou seu ministério profético. Seu ministério realizou-se em Judá, ele é citado por Esdras no cap. 1 v.1 como sendo um dos incentivadores a dar palavras de despertamento ao povo para reconstruírem o Templo. O livro de Zacarias começou a ser escrito uns 19 anos após os primeiros judeus voltarem do Cativeiro Babilônico. Isto é, foi escrito entre 520 a 470 a.C. O texto em questão faz parte desse contexto, e nos mostra como Deus pode agir de modo maravilhoso na vida de seu povo assim como  suas exigências a este povo que ele está abençoando.


I – Quando Deus decide favorecer o seu povo, v. 13-15.

           Olhar para o passado lembrando as coisas tristes só tem valor para o presente se não nos mantivermos presos a este passado, mas trazê-lo à memória como aprendizado para atualidade e como incentivo à gratidão a Deus pelas bênçãos atuais. Zacarias faz o povo lembrar o passado: “fostes maldição entre as nações”, passado de vergonha, de humilhação, que ainda se estendia no presente. A causa de tudo, de toda a dor, de toda vergonha, de toda a ira divina foi a perversidade de seus caminhos pecaminosos, como o Senhor diz por meio de seu profeta que aquele povo o provocou à ira. Setenta anos de cativeiro para aqueles que foram expatriados; pobreza extrema para aqueles poucos que permaneceram em Judá; receberam, então, a devida medida da ira divina. Mas as palavras aqui proferidas são palavras de restauração, ele apenas lembra-lhes o passado para que possam saber que assim como grandiosa foi a manifestação da ira divina, igualmente grandiosa será a manifestação de sua graça. A profecia é de que eles viriam a ser bênção, vivenciariam a salvação de Senhor. Não é que o Senhor tenha se arrependido de tê-los castigado, mas que em seu santo propósito agora chegou a hora de mudar a “sorte” de seu povo. Era uma decisão soberana do Senhor.
           Como demonstrado nesse relato e tantos outros da Palavra, a ira do Senhor para com os seus filhos não permanece para sempre. Como povo de Deus pode ser que venhamos a passar correção, açoites, e muito possivelmente experimentar sentimentos de vergonha por não estar sendo plenamente abençoado em todas as áreas de nossas vidas como consequência de um proceder pecaminoso. Mas como é maravilhosa a certeza de que: "... a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã" (Salmos 30:5).
           Quando o Senhor decide nos favorecer, embora Ele leve em conta nosso arrependimento, não é nosso arrependimento que o leva a agir como se Ele não tivesse escolha, como se estivesse sendo pressionado a isto, de modo algum. Nosso arrependimento é nosso dever, e embora a um coração contrito o Senhor não desprezará jamais, não faz porque somos dignos, mas porque Ele é bom, é como nos diz Miqueias 7.18: "Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniquidade e que te esqueces da rebelião do restante da tua herança? O SENHOR não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na benignidade".
           Como povo de Deus, como igreja local já vivenciamos nossos momentos de vergonha, atrevo-me a dizer, já vivenciamos nossos momentos da ira do Senhor, mas o Senhor em Sua bondade, no presente tem nos favorecido.
           E você meu irmão, minha irmã, não desanime se estiver açoitado pelo Senhor, reconheça seu pecado, arrependa-se e saiba desde já que o tempo da alegria chegará. Deus te favorecerá!
           Mas Zacarias segue falando das exigências que devem estar presentes na vida daqueles que estão sendo favorecidos pelo Senhor.


II – As exigências divinas a um povo favorecido, v. 16-17.

           Muitas coisas poderiam ser mencionadas aqui, mas o que me chama a atenção é o fato da centralidade de como eles deveriam se comportar para com o seu próximo: “falai a verdade cada um com o seu próximo” (v.16); “nenhum de vós pense mal no seu coração contra o seu próximo” (v.17). Eles só poderiam manter a bênção do Senhor presentes em suas vidas se vivessem como deve viver o povo eleito do Senhor. É uma exigência de pureza nos relacionamentos. E como isso também é pertinente nos dias atuais. Não podemos como povo de Deus agir em conformidade com o mundo com palavras e atitudes insinceras. Isto não significa ser negligente com aquilo que é justo, pois foi Jesus mesmo que disse: “Bem aventurados os que tem fome e sede de justiça, porque serão fartos” (Mt 5.6). As palavras de nosso Senhor devem ser entendidas no âmbito da justiça imputada de Deus para nós, ou seja, a justiça de Cristo em nós. Deve ser entendida também como justiça implantada, ou seja, uma vida em santidade diante do Senhor: “Se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus” (Mt 5:20). E também como justiça promovida: “venha o teu reino, faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6.10). Desse modo o filho de Deus lutará contra a injustiça, conta a opressão, contra a inverdade nos julgamentos e nos relacionamentos, não se calará quando algo injusto é falado ou feito a alguém ou contra um povo.
           Deixa eu te perguntar: o que você pensa a respeito de sua irmã em Cristo? O que você tem falado a respeito de sua irmã, de seu irmão condiz com alguém que quer ser favorecido pelo Senhor? Pense nisso, e se a resposta for negativa, mude seu comportamento.
           Mas ainda devemos mencionar que o povo que é favorecido pelo Senhor prestará ao Senhor um culto sincero, alegre, como consequência de uma vida que ama a verdade e a paz.


III – A alegria do culto de um povo favorecido pelo Senhor, v. 18, 19.

           Por que essas palavras neste momento? Voltemos um pouco e observemos o capítulo 7. Neste capítulo o Senhor recusa o jejum que os judeus estavam fazendo. E recusa porque eles em suas datas especiais realizavam os jejum como era de costume com o propósito de expressar luto e súplica. Mas a dura palavra do Senhor a eles é que era tarde demais, a tristeza deles não mudaria o santo propósito da justiça divina que já havia sido profetizado por outros profetas, pois não deram ouvidos à voz do Senhor. O Senhor enviou profetas a eles e eles não deram ouvidos, por isto disse-lhes: “Visto que eu clamei, e eles não me ouviram, eles também clamaram, e eu não ouvi, diz o Senhor dos Exércitos” (Zc 7.13).
           Mas o Senhor se voltou para eles com tanta benignidade que o jejum de meses festivos não seria expressão de tristeza, mas de alegria.
           Assim como com eles que nosso culto ao Senhor também seja repleto de alegria, o que não significa irreverência, mas satisfação no Senhor, sentimento de gratidão, alívio pelo perdão divino, bem-estar na alma por estar na presença do Senhor. Tudo isso sim pode ser expresso em louvores alegres para glória do nosso Deus.
           E a centralidade de tudo isso é do Senhor, é Ele quem realiza na vida da sua igreja pela ação de seu Santo Espírito! E o Espírito Santo nos leva a cultuar com fervor combinado com entendimento, com alegria combinada com solenidade, com sentimento combinada com racionalidade.
           Se você tem reconhecido de coração o quanto o Senhor tem te favorecido não será difícil a você adorá-lo com alegria e singeleza de coração!
           E finalmente meus irmão, tudo isso traz como resultado prático uma influência maravilhosa na vida daqueles que ainda não conhecem a Cristo como salvador, mas por nosso testemunho podem ser atraídos a ele.


IV – A influência de um povo favorecido pelo Senhor, v. 20-23.

           Esses versículos dizem dos judeus que uma vez restaurados pelo Senhor, debaixo da bênção divina viveriam uma época em os povos de nações olhariam para Judá e seriam impactados pelo testemunho deles, aponto de ser dito: “Vamos depressa suplicar o favor do SENHOR e buscar ao SENHOR dos Exércitos" (v.21). Um tempo de influência maravilhosa na vida dos gentios por meio do povo de Israel: “Iremos porque temos ouvido que Deus está convosco” (v.23c). Há quem interprete e aplique esses versículo como uma profecia a respeito do Milênio, os mil anos de reinado de Cristo na terra, que alguns acreditam será um reinado sócio-político, outros que Jesus já reina de modo espiritual.  Independentemente da interpretação que se der a esse texto o que nos interessa no momento é o teor nele contido da influência que pode exercer um povo que vive no temor do Senhor.
           O que desejo que você pense neste momento é se seu testemunho tem atraído pessoas a Cristo. Devemos ser testemunhas vivas de Cristo, primeiramente com nossas palavras e em segundo lugar com nossas atitudes. E como bem sabemos o mundo é especialista em identificar hipocrisia, não é preciso iluminação do Espírito Santo para que as pessoas saibam que alguém não está vivendo o evangelho que com os lábios está a propagar. O anúncio do evangelho quando isso ocorre é desprezado pelas pessoas, pois o que as atrai são outras pessoas que não apenas falam, mas suas vidas podem ser citadas como permeadas pelo evangelho de Cristo.
           Diante disse eu te pergunto: a forma como tem se portado demonstra o reino de Deus em você? O seu testemunho pessoal é exemplo de alguém sob o domínio do Espírito Santo, ou é exemplo de uma pessoa sob o domínio da ira, da inveja, da amargura que tem como resultado o afastamento das pessoas ao invés de atraí-las.
           Minha oração é para que as pessoas possam ver em você alguém a quem elas podem recorrer e dizer: Eu vou com você, pois sei que Deus está com você! Minha oração é para que as pessoas olhem para esta igreja e possam dizer: Vamos até lá, vamos buscar o favor do Senhor, porque as pessoas dessa igreja são verdadeiros crentes!


Conclusão

           Que possamos ser um povo que reconhece o constante favor divino em nos vidas, em gratidão por Ele ter se voltado para nós com bondade e amor inexplicável!
           Que possamos andar de acordo com a vocação a que fomos chamados, sabendo que Ele é gracioso, mas em Sua graça Ele tem suas exigências para conosco!
      Que cada um de nós, individualmente e coletivamente, respondamos ao seu maravilhoso amor com a mais sincera e profunda adoração de nossas almas!
           E que nossas vidas sejam transparentes ao ponto de evidenciar o favor divino da bênção da salvação e nossa comunhão com Ele, e que assim por nosso intermédio, como instrumentos em Suas mãos, pessoas se acheguem ao evangelho da graça!


           Que Deus em Cristo, pela operação do Seu Santo Espírito continue nos favorecendo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário