Salmo 5 - Atitudes diante da ausência de paz

1 Dá ouvidos, SENHOR, às minhas palavras e acode ao meu gemido.
2 Escuta, Rei meu e Deus meu, a minha voz que clama, pois a ti é que imploro.
3 De manhã, SENHOR, ouves a minha voz; de manhã te apresento a minha oração e fico esperando.
4 Pois tu não és Deus que se agrade com a iniqüidade, e contigo não subsiste o mal.
5 Os arrogantes não permanecerão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a iniqüidade.
6 Tu destróis os que proferem mentira; o SENHOR abomina ao sanguinário e ao fraudulento;
7 porém eu, pela riqueza da tua misericórdia, entrarei na tua casa e me prostrarei diante do teu santo templo, no teu temor.
8 SENHOR, guia-me na tua justiça, por causa dos meus adversários; endireita diante de mim o teu caminho;
9 pois não têm eles sinceridade nos seus lábios; o seu íntimo é todo crimes; a sua garganta é sepulcro aberto, e com a língua lisonjeiam.
10 Declara-os culpados, ó Deus; caiam por seus próprios planos. Rejeita-os por causa de suas muitas transgressões, pois se rebelaram contra ti.
11 Mas regozijem-se todos os que confiam em ti; folguem de júbilo para sempre, porque tu os defendes; e em ti se gloriem os que amam o teu nome.
12 Pois tu, SENHOR, abençoas o justo e, como escudo, o cercas da tua benevolência.



Introdução

           Os salmos 3 a 7 foram compostos no momento em que Davi estava fugindo de seu filho Absalão. Foi um dos períodos mais difíceis da vida de Davi. Nos salmos 3 e 4 ele nos dá a informação de que apesar de toda aquela situação de carência ele dormia bem. Havia paz no seu coração. E agora, será que essa situação interior permanece? Será que nada muda durante aquilo tudo, ou ele à nossa semelhança também viveu momentos de altos e baixos em sua estabilidade emocional? Na realidade o que veremos é que ele viveu momentos nos quais já não se sentia tão em paz como inicialmente. E o que ele fez? Quais foram suas atitudes?
           Há neste texto uma sequência de 5 atitudes de Davi que o ajuda a permanecer firme na hora em que a paz foi embora.




I – Continuar perseverando na oração, v. 1-3.

           Em meio a tudo quanto Davi estava vivendo ele revela nos salmos anteriores que dormia bem, uma forma de demonstrar sua confiança no Senhor, que apesar de tudo o Senhor traria a solução daquela situação. Este salmo inicia com ele fazendo referência à sua forma de orar. No v. 1 ele pede ao Senhor que responda ao seu gemido. Essa expressão, ‘gemido’, traz a ideia de um pedido com grande clemência. A sensação é que Deus não está ouvindo, ele ver os dias passando e nada parece mudar. E de sua parte surge um grito de dor, de anseio.
           Ele insiste: “escuta, Rei meu e Deus meu”, v. 2. Em sua redundância ele revela a sensação de sua alma. A sensação dele é que Deus não está ouvindo. Pois até então ele não percebe a resposta do Senhor.
           Em alguns momentos de nossas vidas podemos estar nos sentindo exatamente como Davi naqueles momentos. O que fazer em tal situação? O que fazer quando parece que o Senhor não nos responde?
           Davi em tal momento é perseverante. Ele diz: de manhã te apresento a minha “oferta” (no original) e fico esperando, (v.3). Ou seja, o Senhor é seu primeiro pensamento do dia, sua prioridade.
           Ele sabe que na circunstância que ele vivia a primeira batalha se dá no seu relacionamento com Deus.
           Aprendemos com a atitude de Davi que devemos nos apresentar diante do Senhor e esperar, pois a verdadeira batalha se dá diante do Senhor. Se o Senhor parece não estar te respondendo, persevere, continue em oração, espere!
           Além de perseverante em oração ele volta a sua mente ao conhecimento adquirido a respeito do Senhor.


II – Relembrar o que aprendeu sobre Deus, v. 4-6.

            A realidade que ele está vivendo parece indicar que Deus está favorecendo os ímpios. Mas ele relembra o que ele aprendeu acerca do caráter que Deus já revelou de si nas Escrituras. Basicamente o que ele relembra são os ensinamentos do livro de Deuteronômio, por exemplo; é o ensinamento que Deus é santo, é justo e por isso o ímpio em sua iniquidade não ficará sem a devida punição. Recorda a santidade do Senhor, que com ele o mal não subsiste. Logo, ele sabe que deve permanecer inabalável mesmo o momento não sendo favorável.
           Davi não tinha a revelação bíblica completa como nós a temos, mas mesmo assim tinha essa maturidade da compreensão do caráter divino. A revelação bíblica é progressiva, o que significa que temos uma condição de melhor compreensão acerca de Deus, pois temos a Palavra completa. E aprendemos nela que o Senhor é longânimo, concede tempo para que o ímpio vivencie a conversão. Quando isso não acontece então é que ele exerce sua justiça: “não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor.(Rm 12:19).
           O que precisamos mais do que entender, é aceitar que a justiça de Deus ocorre como e quando ele quer, não como e quando nós queremos. Algo que não podemos esquecer é que se estamos tão prontos a pedir a justiça divina para outrem, em tese a mesma justiça divina pode vir sobre nossas vidas. Afinal de contas também somos pecadores, talvez não expressando as mesmas obras de maldade dos ímpios, mas também somos pecadores. E isto nos leva à terceira atitude que devemos ter diante da ausência momentânea de paz.


III – Entender que somos pecadores dependentes de Sua misericórdia, v. 7.

           Em tese todos já entendemos isso. Compreendemos o conteúdo doutrinário de tal afirmação. Que essa compreensão, portanto, seja ratificada sempre. Somos pecadores que contam com as misericórdias do Senhor. O que merecemos? Merecemos o juízo divino, mas misericórdia é justamente o Senhor deixar de nos dá o que merecemos. Portanto, o caminho para a comunhão com o Senhor e paz espiritual passa não pela Sua justiça, mas pela sua misericórdia, pela sua graça, pela compreensão dos nossos pecados e grato entendimento que estamos na sua casa, na sua presença porque grande é a sua misericórdia.
           Além disto, Davi está a fazer um pedido muito específico quanto a sua forma de viver levando em conta o que ele observa nos ímpios.


IV – Pedir a Deus para ser guiado na justiça, v. 8-10.

           Davi pede ao Senhor para que Ele o guie na sua justiça, ou seja, em um procedimento aceitável a Ele. Este pedido ele coloca de forma específica tendo em vista estar rodeado por tantos inimigos. E ele segue colocando diante do Senhor como são os seus adversários: tem todo o seu íntimo voltado para o pecado. Por isso a oração de Davi é para que o Senhor possa declará-los culpados, sejam frustrados em seus planos e rejeitados pelo Senhor.
           Fica a nós uma pergunta aqui: podemos orar desse modo hoje? Mais uma vez enfatizamos o progresso da revelação bíblica. Nós conhecemos conceitos que Davi não conhecia, aprendemos com Jesus a dar a outra face. No entanto também podemos observar que ele não está preocupado apenas consigo, ele diz: “Rejeita-os por causa de suas muitas transgressões, pois se rebelaram contra ti” (v. 10b). Davi os repudia porque estão em rebelião contra o Senhor.
           Quanto a nós devemos lembrar o que nos adverte o Novo Testamento: a nossa luta não é contra a carne ou o sangue, não é com inimigos humanos que devemos estar preocupados. 1 Pe 5.8-9 nos diz: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo”. Assim sendo, nossas orações devem ser de pedido ao Senhor que nos livre do nosso adversário. 
           Agora, Davi após tudo isso que ele enfrenta relembra da proteção do Senhor.


V – Relembrar a proteção do Senhor. V. 11-12.

           No entanto diante de tudo isso que ele mencionou, diante dos inimigos tão traiçoeiros ele afirma a sua confiança, a sua alegria em saber que pode estar em júbilo, pois é o Senhor que lhe protege. E ele abençoa o justo e o cerca de benevolência.


Conclusão

           Tudo isso que Davi coloca pode em momentos tenebrosos, quando vivenciamos uma crise de paz interior, nos ajudar a sermos renovados neste quesito.


Nenhum comentário:

Postar um comentário